Obesidade infantil tem relação direta com sedentarismo

Quanto mais tempo a criança passa em frente à televisão mais chance ela terá de ser obesa.  Pelo menos, foi isso que apontou a pesquisa feita pela Universidade de Coimbra, em Portugal. De acordo com o estudo, que ouviu mais de 17 mil crianças, três em cada dez crianças, entre 6 e 10 anos, são consideradas acima do peso. Desse número, 14% podem ser classificadas como obesas.

No Brasil, os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que uma em cada três crianças está com peso acima do percentual recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse impacto na saúde das crianças é reflexo da vida nas grandes cidades. Com as metrópoles com poucas opções de diversão, a garotada prefere ficar em casa para assistir TVS, filmes, programas ou jogos eletrônicos. Aliado a esse fator, as emissoras investem cada vez mais na programação infantil diferenciada e nos constantes lançamentos de jogos.
De acordo com a nutricionista do Hapvida, Fátima Barros, esse resultado é reflexo do sedentarismo das crianças. “Elas estão diminuindo a prática de atividades físicas. Por causa dos jogos eletrônicos, elas não brincam de correr, pular. Agora, elas só querem saber das novas opções de entretenimento oferecidas pelos jogos eletrônicos e pela televisão”, explica Fátima.  A especialista destaca que isso reflete diretamente na alimentação. “A atividade física incentiva o compromisso da criança  no controle alimentar  e propicia  a melhora da autoestima”, finaliza.
A nutricionista explica que vários fatores contribuem para o grande número de casos de crianças obesas. Entre eles os fatores etiológicos, como: genético (crianças que têm pais com sobrepeso tem mais chance de apresentar o mesmo perfil), fisiológicos (fatores endócrinos e metabólicos), ambientais (prática alimentar e atividade física) e psicológicos. “A história alimentar é muito importante para determinar a ocorrência da obesidade e de outros distúrbios de comportamento alimentar”, orienta Fátima.
Nos últimos anos, o brasileiro vem aumentando o peso
Como método de prevenção, a nutricionista aponta que a base de uma alimentação equilibrada é refeição saudável combinada com atividade física.  “É fundamental a criança reduzir fast-food, alimentos ricos em gorduras, refrigerantes e açúcares”, explica.  Segundo ela, a forma de preparar os alimentos  e a quantidade ingerida faz com que algumas crianças consumam mais comida do que precisam e por isso ganhem peso. “É necessário assegurar a qualidade nutricional e quantidade adequada, através de uma refeição satisfatória”, explica.
Nos últimos anos, o brasileiro vem aumentando o peso. Pelo menos é o que apontam os números do IBGE. Segundo os dados, o excesso de peso em homens adultos saltou de 18,5% para 50,1% e o excesso em mulheres foi de 28,7% para 48%. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 2,6 milhões de pessoas morrem todos os anos por causa da obesidade ou do sobrepeso. A OMS calcula que, em todo o mundo, mais de 1 bilhão de adultos está acima do peso. Destes, 300 milhões são obesos.
De acordo com a nutricionista do Hapvida Saúde, Fátima Barros, o melhor tratamento da criança obesa não deverá ser feito com dietas restritivas. É necessário fazer uma reeducação alimentar. “Os pais devem fazer um trabalho de reeducação alimentar.  Isso requer tempo. Eles devem sempre estimular o consumo de alimentos saudáveis como frutas, vegetais e grãos intestinais”, explica. Ela ainda afirma que é preciso diminuir o consumo de gorduras animais, açúcar refinado, sal e alimentos ricos em sódio.


COTAÇÃO atendimento